20 Dicas para as Eleições de 2018

Faltando poucos meses para as eleições de 2018 aonde nos iremos às urnas para escolher nossos futuros governantes presidente da República, governador, senador, deputado federal, e deputado estadual. em ano de eleição, pré-candidatos passam a ser vistos com mais freqüência em eventos e locais públicos, prometendo mudanças apontando supostas soluções para os problemas da Bahia e do Brasil Para ajudá-lo na importante decisão, o Jornal Cidade traz vinte dicas para ajudar na escolha de seus representantes. Os critérios apontados vão desde a análise do histórico do candidato até as promessas que começam a ser feitas. Tem muita gente que promete mundos e fundos sem ter competência para cumpri se eleito. Deputados e senadores não constroem nada. É fundamental que o eleitor conheça as atribuições de cada cargo publico presidentes Governadores Deputados e senadores para não cair em conversa furada”,
 São poucos os políticos que se enquadram na Lei da Ficha Limpa. Acho importante ir além, não se limitar a condenações, ver se o candidato responde a processos e inquéritos.










1 -> Analise o histórico do candidato independente de ser novato ou veterano na política. Se já é político, qual sua trajetória pública?  Se for novato, já fez trabalhos pela comunidade? Em que causa atua? Como ou pelo o que é conhecido.

2 -> Honestidade é fundamental. Se o candidato é ficha suja, pense duas vezes, o eleitor deve por na balança até mesmo processos e inquéritos.

3 -> Experiência é importante, mas não é tudo, a “boa experiência” deve ser com as pessoas e não necessariamente com cargos políticos.

4 -> Pense nas necessidades da sua cidade e da sua comunidade, analise qual candidato tem um discurso mais alinhado com os valores éticos morais e familiar que você defende.

5 -> Pense na diferença entre ousadia e exagero. Candidatos que fazem promessas mirabolantes são visionários ou falsários. Os visionários conseguem lançar idéias que podem mudar radicalmente a cidade, já os falsários querem apenas o cargo político.

6 -> Avaliem o plano de governo de cada um dos candidatos apesar da semelhança da maioria seja para presidente da República ou Governador é preciso que o representante público tenha um planejamento, e saiba o que vai fazer quando eleito.

7 -> Fuja de promessas individuais. O candidato que promete favores e vantagens pessoais é certamente alguém que usará o dinheiro público de forma imprópria, se for eleito.

8 -> Conheça o partido do candidato. É preciso identificar a que grupo o pertence ou se não pula de galho em galho.

9 -> Saiba diferenciar. Boa pessoa ou bom profissional não é necessariamente um bom político. É preciso estar atento a esta percepção vocação para administrar ou fiscalizar.

10 -> não transforme seu voto em piada. Vote com consciência, mesmo que nenhum dos candidatos preencha de forma integral as suas exigências.

11 ->É fundamental que a população vote em quem sempre esteve ao seu lado, com ou sem mandato, alguém que realmente conheça a demanda da sociedade, e não oportunista.

12-> Votar em qualquer um porque ‘tanto faz’ leva você a perder seu direito de escolha. Voto de protesto não existe. Se fase isso depois não pode reclama dos governantes .

13 ->Vocês lembram em quem você vota em 2014? Você acompanha o trabalho de seu candidato?  Você precisou dele? Será que ele merece seu voto novamente?


14-> Mostrar obras que o candidato faz mais que o outro é um método muito comum de “marketing” e devemos tomar cuidado com ele. Obras são muito importantes, mas um hospital lindo não vai curar doenças se não tiver remédios e bons médicos, enfermeiros, psiquiatras, psicólogos. Uma creche enorme não vai cuidar bem do seu filho se não tiver professores e inspetores bem remunerados e formados.


15->Nós, eleitores, também devemos ser honestos no sentido de não aceitar a venda de nosso voto, refletir sobre nossos valores e procurar um candidato que represente nossos anseios. Se um eleitor tem como valores a desonestidade para se dar bem em que tipo de candidato ele vai votar? O problema é que um candidato desonesto quando eleito faz mal para muitas pessoas, inclusive para aqueles que votaram e que não votaram nele.


16-> O eleitor tem que se fazer essa pergunta Terei acesso a esse candidato se ele for eleito? Porque se ele é o meu representante eu tenho que ter acesso a ele.


17- >  Votar em candidato que se veste de sheik árabe, que tem nome engraçado, que faz malabarismo, que grita, bate na mesa, que faz musiqueta engraçada, que é “famoso” ou bonito, que faz promessas mirabolantes. Pode ser um erro grave. Governar não é o mesmo que atuar em um circo.

18-> Acredito ser este o maior problema que enfrentamos nos dias atuais. Quando uma organização criminosa toma conta do poder institucional de um Estado ela se auto-alimenta, gerando problemas gravíssimos. Você já pensou nas conseqüências de um político com ligações criminosas votar leis sobre crimes?

19-> verifiquem se o candidato gosta de Ler se ele não Ler corre o risco de ser manipulado ou enganado facilmente.

20-> Deve ser observado, no entanto, se o candidato é preparado e tem gosto pela política ou se foi construído visando à perpetuação no poder. O coronelismo acabou há muitos anos,

Texto: Mateus de Jesus
Marcadores:

Postar um comentário

[disqus]

Author Name

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.