Fiscalização de uso de fundo bilionário preocupa autoridades para eleições municipais

Após a série de casos de desvios de recursos do fundão eleitoral em 2018, a fiscalização do uso de um volume ainda maior de verba públi...


Após a série de casos de desvios de recursos do fundão eleitoral em 2018, a fiscalização do uso de um volume ainda maior de verba pública na campanha deste ano preocupa autoridades eleitorais pelo país.
Na eleição municipal de outubro, o fundo eleitoral será de R$ 2 bilhões, ante R$ 1,7 bilhão aplicados dois anos atrás.
Desta vez, porém, os recursos serão injetados em um número muito maior de candidaturas, espalhadas por 5.570 municípios. Se nas eleições estaduais e nacionais de 2018 eram 29 mil candidatos, agora o número de inscritos pode chegar a 500 mil.
As candidaturas ainda terão à disposição verbas públicas do fundo partidário, que soma ao todo mais R$ 1 bilhão.
Episódios como o laranjal do PSL, em que candidaturas laranjas de mulheres de baixa votação receberam vultuosos repasses públicos, despertam o temor de que a prática se dissemine por pequenas localidades, com parca estrutura fiscalizatória do poder público.
No interior dos estados, é comum que um único promotor eleitoral seja o responsável pela fiscalização em um conjunto de municípios.
Uma possível irregularidade é a apropriação ilegal de recursos públicos por meio de contratos fictícios de fornecimento de serviços.
“A prova de prestação de serviços fictícios é bem difícil, pela questão do rastro. Para demonstrar que a prestação de serviço de marketing é fictícia, seria preciso [fiscalizar] na hora em que estiver ocorrendo a fraude”, diz o promotor Rodrigo Zílio, que coordena a área eleitoral na primeira instância no Rio Grande do Sul.
Ele disse que já houve conversas com a PF sobre como atuar para reprimir esse tipo de irregularidade. Um obstáculo é o fato de as prestações serem finalizadas só depois das eleições, o que priva as autoridades de informações que poderiam embasar investigações.
Em Minas, uma alternativa encontrada pela Promotoria Eleitoral é convocar dirigentes partidários para orientar e advertir sobre possíveis sanções relacionadas a desvios de verba.
O promotor Edson Resende de Castro, que coordena a área eleitoral no estado, diz que o plano inclui ainda promover reuniões com candidatas mulheres para “lembrar que os recursos devem ser empregados em suas campanhas e que não devem participar de algo que vá desvirtuar esses valores”.
A atual legislação exige que 30% das candidaturas sejam do sexo feminino e que 30% do fundo eleitoral seja destinado a candidatas mulheres. Esse fundo, custeado pelos cofres públicos, foi criado para financiar campanhas eleitorais após a proibição da doação de empresas, decidida pelo Supremo Tribunal Federal em 2015.
Castro, que lidera um grupo nacional de promotores dessa área, afirma que a ideia é que cada cartório eleitoral tenha um servidor que atue na área de controle e que tenha a atribuição de fazer diligências, como visitas a prestadores de serviço.
Em uma eleição tão capilarizada, as autoridades eleitorais contam com a fiscalização dos próprios políticos para detectar fraudes. Denúncias feitas por adversários dos candidatos costumam formar parte relevante dos casos que chegam para serem averiguados pelo Ministério Público Eleitoral.
“Neste ano a gente deve investir um pouco mais nisso, fazer mais diligências exatamente em razão desse histórico de [irregularidades de] 2018”, diz o promotor de Minas.
O chefe do Ministério Público Eleitoral em São Paulo, procurador Sérgio Medeiros, vê outro entrave na atuação dos órgãos de controle na eleição: o enxugamento dos orçamentos.
“O Ministério Público, Justiça, todos temos que fiscalizar a correta aplicação desses fundos. Temos, sim, que nos adaptar [a essa atribuição]. Mas temos que reconhecer que existe uma grande dificuldade para todos os órgãos públicos decorrente das restrições orçamentárias. Vamos ampliar o número de vagas? Vamos fazer concurso para contratar mais servidores? Não vamos.”
O principal caso de desvio de recursos públicos na campanha de 2018 envolve o atual ministro do Turismo, Marcelo Alvaro Antônio, que naquele ano se elegeu deputado federal pelo PSL de Minas.
Após uma série de reportagens da Folha e uma investigação da Polícia Federal, ele foi denunciado em outubro passado pelo Ministério Público de Minas sob acusação de desviar verbas do fundo eleitoral destinadas a candidaturas femininas.
Quatro candidatas do partido no estado, então comandado por Álvaro Antônio, receberam R$ 279 mil do fundo público, mas tiveram, juntas, apenas 2.000 votos e não apresentaram sinais evidentes de que tenham realizado campanha. Parte desses recursos, à época, foi parar em empresas ligadas a assessores e ex-assessores do gabinete dele na Câmara dos Deputados.
Além do caso do ministro do Turismo, outro alvo de suspeitas sobre a aplicação irregular de recursos públicos foi o deputado federal pernambucano Luciano Bivar, presidente do PSL, partido pelo qual Jair Bolsonaro se elegeu presidente.
Duas funcionárias do PSL, Maria de Lourdes Paixão e Érika Santos, receberam respectivamente R$ 400 mil e R$ 250 mil do PSL. Paixão, que teve apenas 274 votos, informou em sua prestação de contas naquele ano que gastou 95% do dinheiro em uma única gráfica.
A PF fez buscas em endereços de Bivar e na sede do partido no Recife em outubro passado.
Outro caso envolve a suplente de deputada federal Maria Aparecida dos Santos, mãe do fundador do PROS, Eurípedes Macedo Júnior. Ela teve o diploma cassado no Tribunal Regional Eleitoral de Goiás no fim do ano passado após não apresentar documentação comprovando a destinação dos recursos do fundo.
Acusada de pagar despesas até de uma aeronave com esse dinheiro, pela decisão, ela terá que devolver R$ 1,2 milhão.
Em novembro passado, a PF deflagrou operação contra Sonia Alves, uma ex-candidata a deputada estadual do DEM no Acre que recebeu R$ 240 mil do diretório nacional da sigla, mas teve apenas seis votos.
O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) fala que a melhor maneira de coibir esse tipo de desvio das verbas públicas é ampliando o trabalho das áreas de inteligência da Justiça Eleitoral, que incluem a análise das prestações de contas entregues por partidos e candidatos.
Técnicos da corte eleitoral, que organiza as eleições, atuam cruzando as informações das receitas e despesas dos candidatos com bases de dados públicas, em busca de indícios de movimentações atípicas que podem apontar irregularidades.
Assim, essa área técnica, por exemplo, analisa junto a informações da Receita a capacidade de serviço de empresas incluídas na lista de fornecedores, verifica se cabos eleitorais estão em bases de dados de pessoas que morreram e cruza os valores de notas fiscais eletrônicas com despesas com prestadores de serviço.
Outros focos são empresas de dirigentes partidários suspeitas de receber recursos dos candidatos e a checagem da movimentação bancária das candidaturas.
Se houver indícios de irregularidades, os técnicos comunicam as autoridades locais, como o Ministério Público, que podem, por exemplo, abrir investigação e pedir diligências para a polícia.
Eron Pessoa, que é responsável pela assessoria de exame de contas eleitorais e partidárias do TSE, diz que, diante da “magnitude da eleição e os valores envolvidos”, é preciso direcionar a fiscalização por meio do trabalho de inteligência.


“É o maior montante da história das eleições desde a redemocratização do país. Isso acaba gerando um fluxo de documentos e de dados muito grande para a fiscalização da regularidade do gasto. Aumenta na mesma proporção”.

COMENTÁRIOS

Nome

Agronegocio,6,Agronegócio,15,Angical,1,Bahia,299,Baianópolis,2,Barreiras,185,Boa noticia,25,Bom Jesus da Lapa,4,Brasil,322,Brasilia,2,Catolândia,6,Celebridades,2,Cinema,12,Correntina,1,Cristópolis,2,Economia,40,Educação,21,Entretenimento,33,Esportes,112,famosos,152,famoss,2,Festas,3,Formosa do Rio Preto,1,Golpes,1,governo,42,Guanambi,5,Humor,2,Ibotirama,1,internacional,93,Irecê,6,justiçá,194,LEM,14,Livros,3,Luis Eduardo Magalhães,6,Mundo,3,municípios,112,Oportunidades,15,Pesquisa,18,Polemica,98,Polemicas,22,policia,54,Politica,991,Religião,35,Riachão da Neves,2,Salvador,56,Santa Maria da Vitoria,3,São Desidério,1,Saúde&Bem Estar,6,Saúde&Bem-Estar,58,Tecnologia,48,Tragedia,49,Turismo,33,Videos,42,Vitoria da Conquista,3,Wanderley,1,Whatsapp,1,
ltr
item
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste: Fiscalização de uso de fundo bilionário preocupa autoridades para eleições municipais
Fiscalização de uso de fundo bilionário preocupa autoridades para eleições municipais
https://1.bp.blogspot.com/-2Gqls7HuqrE/XmV9wMgkz_I/AAAAAAAAIEI/5bkE4Q2taPspYu-42I2DExbVj96W8DBiwCNcBGAsYHQ/s320/IPS_Lacra%25C3%25A7%25C3%25A3o-Urnas-36.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-2Gqls7HuqrE/XmV9wMgkz_I/AAAAAAAAIEI/5bkE4Q2taPspYu-42I2DExbVj96W8DBiwCNcBGAsYHQ/s72-c/IPS_Lacra%25C3%25A7%25C3%25A3o-Urnas-36.jpg
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste
http://www.vejaoeste.com.br/2020/03/fiscalizacao-de-uso-de-fundo-bilionario.html
http://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/2020/03/fiscalizacao-de-uso-de-fundo-bilionario.html
true
8061571385870599471
UTF-8
Carregou todos os artigos Não encontrei nenhum post VER TODOS Leia Mais Resposta Cancelar resposta Deletar Por Home PAGINAS ARTIGOS Ver Todos Talvez você goste destas postagens C ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS ARTIGOS nenhum resultado. Voltar Para o Inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhar. PASSO 2: clique no link que você compartilhou para desbloquear Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C para Mac) para copiar