Apoio a impeachment não está no nível Collor ou Dilma, diz pesquisa

A abertura de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro racha o eleitorado brasileiro, mas o presidente ainda está em posição ma...


A abertura de um processo de impeachment contra Jair Bolsonaro racha o eleitorado brasileiro, mas o presidente ainda está em posição mais confortável do que a de seus dois antecessores impedidos desde a redemocratização de 1985.
É o que se depreende da análise de outros momentos de crise política nos quais o Datafolha perguntou à população se era conveniente o movimento por parte da Câmara dos Deputados.
Relativizando essa leitura há um fato: a intenção contrária a Bolsonaro é significativa, 45%, e ele tem só um 1 ano e 4 meses no cargo.
Outros 48%, um empate na margem de erro de três pontos, são contra a abertura do processo. Os dados foram divulgados na segunda (27).
A palavra impeachment ronda conversas políticas há poucos meses, devido à erosão acelerada da relação entre o Planalto e os outros Poderes e entes federativos.
A condução conflituosa da emergência do novo coronavírus, rejeitada por 46% e na qual Bolsonaro se isolou politicamente, acelerou o desgaste político.
A tensão chegou ao paroxismo com a saída de Sergio Moro do governo, com o ministro da Justiça acusando o ex-chefe de querer interferir na Polícia Federal –algo confirmado por Bolsonaro ao insistir no nome de Alexandre Ramagem, próximo à sua família, para a direção do órgão.
O caso agora está nas mãos do Supremo Tribunal Federal. O presidente, contudo, mantém um patamar alto de apoio popular no cômputo geral, 33% de ótimo e bom.
O primeiro presidente eleito diretamente depois da ditadura de 1964, o hoje senador Fernando Collor de Mello (então no partido sob medida PRN), foi afastado sob acusação de corrupção em setembro de 1992.
Ele viria a renunciar três meses depois para tentar evitar a perda de direitos políticos, sem contudo ter sucesso.
Collor passou os dois primeiros anos do mandato, 1990 e 1991, decaindo devido ao caos econômico e à perda de sustentação no Congresso.
Fritou na cadeira, de fato, em 1992, quando foi acusado pelo irmão Pedro de envolvimento em um grande esquema de corrupção e acabou alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito e o subsequente impeachment.
O Datafolha aferiu o ânimo da população nos dias 3 e 4 de setembro, pouco mais de 20 dias antes da abertura do processo. Naquele momento, 75% dos brasileiros desejavam a medida, ante 18% que a rejeitavam.
Já Dilma Rousseff (PT) foi reeleita em 2014, assumindo em 2015 sob grave crise econômica decorrente de opções feitas em seu primeiro mandato.
Politicamente, o governo começou a sangrar pelas revelações de corrupção da Operação Lava Jato, que atingiam não só seu partido como vários aliados, em 2014.
No ano seguinte, a oposição ferrenha do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha (MDB), acelerou sua decadência política.
Em março de 2015, o Datafolha mostrou que 63% dos brasileiros desejavam o impeachment de Dilma, enquanto 33% eram contra. Em outras quatro pesquisas, o índice oscilou até um máximo de 68% a favor (março de 2016), chegando ao derradeiro levantamento de abril de 2016 em 61%.
A presidente acabou afastada em maio daquele ano, sendo julgada e impedida em agosto, devido às pedaladas fiscais que promovera.
Esses dados são referenciais, dado que há diferenças metodológicas –as duas pesquisas sobre Bolsonaro foram feitas por telefone devido à pandemia, enquanto as anteriores eram presenciais.
Outros dois presidentes no período tiveram o impeachment especulado, mas permaneceram no cargo com apoios díspares.
Em agosto de 2005, no auge do escândalo do mensalão, o Datafolha quis saber se os brasileiros desejavam um impeachment contra Luiz Inácio Lula da Silva (PT).
O resultado: 63% eram contrários, 29% a favor. A oposição acompanhou o sentimento popular e preferiu deixar Lula sofrer o desgaste. Deu errado: em 2006, ele havia se recuperado e foi reeleito.
Já em maio de 2017, foi a vez do ex-vice de Dilma, Michel Temer (MDB), ir para a grelha. Pego em uma conversa indevida com o empresário Joesley Batista, ele teve duas denúncias apresentadas pela Procuradoria-Geral da República à Câmara –conseguiu vê-las suspensas até o fim de seu mandato.
O fez pelo apoio expressivo que tinha na classe política e pela anemia da oposição recém-retirada do Planalto.
O desejo era por impeachment: o Datafolha apontou em junho daquele ano que 81% desejavam o instrumento contra Temer, enquanto 15% o poupavam.
O caso de Bolsonaro é comparável com o de seu antecessor imediato pelo tempo semelhante que ambos tinham no cargo quando o impeachment começou a rondar. Mas Temer tinha quase uma unanimidade popular contra si, algo que está longe do atual presidente por ora.
O que se vê são os traços comuns de todos os presidentes que foram removidos da cadeira: amplo desejo popular pelo processo de impeachment, falta de apoio congressual e crise econômica.
Sobre algo bastante mais intangível, a renúncia de Bolsonaro, o Datafolha mostrou que 46% dos brasileiros a desejam –o valor aferido na segunda (27) é maior do que aquele registrado há duas semanas, 37%.
Em três rodadas questionando sobre a hipótese, entre novembro de 2015 e abril de 2016, o Datafolha ouviu um alto apoio a ela no caso de Dilma, oscilando de 60% a 65%. Já Temer teve a renúncia desejada, no auge de sua crise em 2017, por 76%.
 

COMENTÁRIOS

Nome

Agronegocio,6,Agronegócio,12,Angical,1,Bahia,264,Baianópolis,1,Barreiras,166,Boa noticia,23,Bom Jesus da Lapa,3,Brasil,283,Brasilia,1,Catolândia,3,Celebridades,1,Cinema,9,Correntina,1,Cristópolis,1,Economia,38,Educação,20,Entretenimento,30,Esportes,108,famosos,145,famoss,1,Festas,3,Golpes,1,governo,39,Guanambi,3,Humor,2,Ibotirama,1,internacional,84,Irecê,5,justiçá,186,LEM,9,Livros,3,Luis Eduardo Magalhães,2,Mundo,3,municípios,106,Oportunidades,13,Pesquisa,16,Polemica,85,Polemicas,22,policia,51,Politica,945,Religião,28,Riachão da Neves,2,Salvador,46,Santa Maria da Vitoria,2,Saúde&Bem Estar,6,Saúde&Bem-Estar,54,Tecnologia,46,Tragedia,47,Turismo,29,Videos,40,Vitoria da Conquista,2,Whatsapp,1,
ltr
item
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste: Apoio a impeachment não está no nível Collor ou Dilma, diz pesquisa
Apoio a impeachment não está no nível Collor ou Dilma, diz pesquisa
https://1.bp.blogspot.com/-0BHyDqljHgQ/Xqzd7rC3gWI/AAAAAAAAJXE/TO1rGQlGvAUYQnhWZ3oPoqv9M8MwcgiEACNcBGAsYHQ/s320/IMAGEM_NOTICIA_0%2B%25281%2529.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-0BHyDqljHgQ/Xqzd7rC3gWI/AAAAAAAAJXE/TO1rGQlGvAUYQnhWZ3oPoqv9M8MwcgiEACNcBGAsYHQ/s72-c/IMAGEM_NOTICIA_0%2B%25281%2529.jpg
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste
https://www.vejaoeste.com.br/2020/05/apoio-impeachment-nao-esta-no-nivel.html
https://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/2020/05/apoio-impeachment-nao-esta-no-nivel.html
true
8061571385870599471
UTF-8
Carregou todos os artigos Não encontrei nenhum post VER TODOS Leia Mais Resposta Cancelar resposta Deletar Por Home PAGINAS ARTIGOS Ver Todos Talvez você goste destas postagens C ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS ARTIGOS nenhum resultado. Voltar Para o Inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhar. PASSO 2: clique no link que você compartilhou para desbloquear Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C para Mac) para copiar