Maioria de presos em flagrante em Salvador são negros, jovens, pobres e sem escolaridade

  Um estudo divulgado pela Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) nesta quarta-feira (29) revela que das 5.153 pessoas presas em flagrante no a...

 





Um estudo divulgado pela Defensoria Pública da Bahia (DP-BA) nesta quarta-feira (29) revela que das 5.153 pessoas presas em flagrante no ano de 2019, a maioria era homem, negro, jovem, com ensino fundamental incompleto e uma renda mensal abaixo de dois salários mínimos.



O relatório foi produzido pela Coordenadoria Especializada Criminal e de Execução Penal da Defensoria Pública, através do defensor Maurício Saporito e pelo assessor de gabinete para Pesquisas Estratégias, Lucas Marques. Os dados são coletados desde 2015 pela instituição, quando as audiências de custódia começaram a ser realizadas em Salvador. O relatório subsidia o trabalho da Defensoria e a pensar políticas públicas.



O relatório aponta que, das 5.153 pessoas presas em flagrante durante este período em Salvador, 4.804 dos custodiados eram homens e 349 eram mulheres.



Deste total, 97,8% (4.428) se autodeclararam pretos/pardos e 2,2% (98) brancos e, cruzando estes dados com a decisão tomada em relação à situação deste flagranteado, a pesquisa constata que o número de liberdade provisória é quase igual entre pretos/pardos (50%) e brancos (49%), mas quando a medida é de prisão preventiva os pretos/pardos respondem por 41,4% do total e os brancos totalizam 33,7% destes registros. “Ou seja, existe uma chance maior de uma pessoa preta/parda ser presa em flagrante e levada a uma audiência de custódia e uma tendência maior a ela ficar presa também”, observou o coordenador Maurício Saporito.



Quanto à idade, o documento mostra que 3.345, ou seja, 65,3% dos custodiados tinham idade entre 18 e 29 anos. Com relação à escolaridade, dos que responderam, 53,3% (1.590) dos flagranteados informaram que possuíam até o ensino fundamental incompleto. Já no quesito renda mensal, 98,6% informou que recebia abaixo de dois salários mínimos.

“Em resumo: é uma população negra (preta e parda), masculina, jovem, escolaridade baixa, idade até 29 anos e renda inferior a dois salários mínimos. Este é o retrato de quem ingressa no sistema prisional na capital, um retrato muito excludente que demonstra uma tendência e, ainda que a gente lute e mostre esta informação pedindo políticas públicas diferentes, a política de segurança pública e a política repressiva penal continuam sempre na mesma toada. Isso é um fenômeno nacional”, acrescentou Saporito.



Um outro dado que demonstra a hipossuficiência econômica de quem é autuado em flagrante, segundo o relatório, é que, em relação à defesa, 61,9% foi assistido pela Defensoria Pública e 38,1% constituiu advogado particular. “Trabalhamos com a maioria dos casos e isso demonstra também a nossa atuação e a nossa presença junto ao Sistema de Justiça”, completou o coordenador.



Já em relação à decisão do juiz do Núcleo de Prisão em Flagrante – NPF (que passou a ser chamado de Vara de Audiência de Custódia), onde são realizadas as audiências de custódia, em 49,2% dos casos foi concedida a liberdade provisória e em 41,1% foi decretada a prisão preventiva. Ainda sobre as decisões, em 93,3% dos casos houve algum tipo de restrição à liberdade do flagranteado e em 6,7% a liberdade foi de forma plena.



“É isso que a audiência de custódia traz de vantagem: o juiz ou juíza quando se depara com esse perfil de pessoas [com perfil socioeconômico mais vulnerável] que foram autuadas conseguem perceber o quanto a cadeia e a permanência no cárcere vão vulnerabilizar mais essas populações e isso gera um índice de soltura maior”, constatou.



Ainda sobre as decisões, em 93,3% dos casos houve algum tipo de restrição à liberdade do flagranteado e em 6,7% a liberdade foi de forma plena, o que demonstra que o Poder Judiciário apesar de conceder mais liberdade, tende a manter algum tipo de cerceamento à liberdade das pessoas. Entre os exemplos mais comuns destas restrições estão o comparecimento periódico em Juízo, proibição de acesso a determinados lugares, proibição de manter contato com pessoa determinada, proibição de ausentar-se da comarca; recolhimento domiciliar, suspensão do exercício da função pública, internação provisória e monitoramento eletrônico.



A grande novidade que esta nova edição do Relatório traz em relação ao de 2018 é a constatação de que em 99,7% dos casos em que a prisão preventiva foi decretada o fundamento utilizado foi o da manutenção da ordem pública.



“Para que uma pessoa autuada em flagrante ou que responde a um processo fique presa é preciso que o juiz observe alguns requisitos previstos no Código de Processo Penal. O artigo 312 diz: uma prisão preventiva pode ser decretada por garantia da ordem pública, da ordem econômica, conveniência da instrução e para assegurar a aplicação da Lei Penal. São quatro fundamentos, sendo três deles bem fechados e um muito aberto que a legislação utiliza manter pessoas presas. O que notamos, a partir deste gráfico [de 99,7% dos casos], é que há um abuso do uso deste fundamento considerado como coringa, aberto e algo que não conseguimos ponderar”, revelou Maurício Saporito.



Com relação às imputações penais dos casos, 41,8% (2.152) foi de crimes contra o patrimônio, sendo os principais deles roubo e furto e 40,1% (2.068) sobre a Lei de Drogas. Tiveram, também, 421 casos ligados à Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06), 145 sobre o Estatuto do Desarmamento, 138 referentes ao Código Brasileiro de Trânsito e 228 outros crimes ligados a casos que envolvem homicídios e os contra a dignidade sexual.



O relatório também traz detalhes sobre a utilização ou não de armas: em 78,2% (4.030) não houve emprego de arma e em 1.127 casos foram registrados a utilização de armas – de fogo, brancas ou simulacros (de brinquedo), sendo que 915 delas (ou 81,5%) foram apreendidas.



Já no quesito lesão, 45,8% dos flagranteados afirmaram ter sofrido algum tipo de agressão, ou seja, nos casos em que esta informação foi registrada, 4 em cada 10 custodiados disseram que foram agredidos. “Aqui está mais uma função da audiência de custódia: expor a questão da violência, seja ela policial ou de populares. O cidadão, ainda que tenha sido apreendido cometendo algum crime, tem direitos. Ele continua sendo cidadão e sua integridade física deve ser preservada”, ressaltou Saporito.



Fazendo um comparativo entre estes dados sobre a agressão com a autodeclaração de cor, o Relatório identifica que 26,8% dos negros teriam sofrido agressão e 19,4% dos brancos. “É possível identificar, de acordo com os dados observados, que o universo de custodiados que indicaram ter sofrido lesão é de 1.292 pessoas em números absolutos. Destas, 1.164 pessoas afirmaram saber identificar quem teria sido o responsável pela lesão, o que representa 90,2% dos lesionados”, observa o Relatório. Sobre esta identificação, os policiais militares (77,6%) – que são os que mais conduzem os flagranteados – e os populares (7,1%) são os principais apontados.



Já com relação à apreensão de drogas, constatou-se que em 40,5% de todos os flagrantes houve apreensão de drogas, isoladas ou em conjunto com outras, sendo as principais cocaína, maconha e crack, cuja quantidade variava entre 10 gramas a um quilo, a depender da droga. “São, supostamente, pequenos traficantes, pois há um percentual muito baixo de grande quantidade de droga apreendida em flagrante”, percebeu o assessor de Gabinete, Lucas Resurreição, fazendo a comparação com o que é apreendido e considerado como consumo pessoal em outros países.



A liberdade provisória foi concedida em 52,8% dos casos em que a apreensão de droga foi de maconha; em 56,8% dos casos quando a apreensão foi de cocaína e em 52,9% dos casos de apreensão de crack. “Em relação à maconha, é um percentual que se mantém constante mesmo considerando os outros tipos de drogas que, em tese, seriam consideradas mais perigosas, como a cocaína e o crack”, acrescentou.



Das pessoas que foram soltas, a Defensoria filtrou os nomes e chegou ao quantitativo de 217 retornos, que representa 7,2%, ou seja, em 92,8% dos casos não foram registrados retornos, “o que prova que é falsa a hipótese da volta ao sistema. Isso representa bem a importância de nos guiarmos por dados e informações, obtidos de uma forma séria e transparente”, concluiu o assessor Lucas Marques. Clique aqui e leia o relatório na íntegra.

COMENTÁRIOS

Nome

Agronegocio,7,Agronegócio,17,Angical,1,Bahia,333,Baianópolis,2,Barreiras,221,Boa noticia,26,Bom Jesus da Lapa,5,Brasil,350,Brasilia,2,Catolândia,11,Celebridades,2,Cinema,13,Correntina,3,Cristópolis,2,Economia,43,Educação,23,Entretenimento,47,Esportes,120,famosos,166,famoss,2,Festas,3,Formosa do Rio Preto,2,Golpes,1,governo,44,Guanambi,10,Humor,2,Ibotirama,2,internacional,104,Irecê,9,justiçá,204,LEM,16,Livros,3,Luis Eduardo Magalhães,17,Mundo,3,municípios,118,Oportunidades,18,Pesquisa,21,Polemica,114,Polemicas,23,policia,64,Politica,1086,Religião,37,Riachão da Neves,14,Salvador,75,Santa Maria da Vitoria,5,Santa Rita de Cassia,2,São Desidério,1,Saúde&Bem Estar,6,Saúde&Bem-Estar,61,Tecnologia,50,Tragedia,58,Turismo,36,Videos,43,Vitoria da Conquista,3,Wanderley,1,Whatsapp,1,
ltr
item
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste: Maioria de presos em flagrante em Salvador são negros, jovens, pobres e sem escolaridade
Maioria de presos em flagrante em Salvador são negros, jovens, pobres e sem escolaridade
https://1.bp.blogspot.com/-HsdgqgFP3TE/X51KoFaBEGI/AAAAAAAAPNs/wENUCLqLuFQiRI91LLC_QeIf5wXad5eMwCNcBGAsYHQ/s320/IMAGEM_NOTICIA_5%2B%252812%2529.jpg
https://1.bp.blogspot.com/-HsdgqgFP3TE/X51KoFaBEGI/AAAAAAAAPNs/wENUCLqLuFQiRI91LLC_QeIf5wXad5eMwCNcBGAsYHQ/s72-c/IMAGEM_NOTICIA_5%2B%252812%2529.jpg
Veja Oeste | O Seu Portal de Notícias do Oeste
https://www.vejaoeste.com.br/2020/11/maioria-de-presos-em-flagrante-em.html
https://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/
http://www.vejaoeste.com.br/2020/11/maioria-de-presos-em-flagrante-em.html
true
8061571385870599471
UTF-8
Carregou todos os artigos Não encontrei nenhum post VER TODOS Leia Mais Resposta Cancelar resposta Deletar Por Home PAGINAS ARTIGOS Ver Todos Talvez você goste destas postagens C ARQUIVO PESQUISAR TODOS OS ARTIGOS nenhum resultado. Voltar Para o Inicio Domingo Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Agora mesmo 1 minuto atrás $$1$$ minutos atrás 1 hora atrás $$1$$ horas atrás Ontem $$1$$ dias atrás $$1$$ semanas atrás mais de 5 semanas atrás Seguidores Seguir ESTE CONTEÚDO PREMIUM ESTÁ BLOQUEADO PASSO 1: Compartilhar. PASSO 2: clique no link que você compartilhou para desbloquear Copie todo o código Selecione todo o código Todos os códigos foram copiados para sua área de transferência Não é possível copiar os códigos / textos, por favor, pressione [CTRL]+[C] (ou CMD+C para Mac) para copiar