Médico de Olavo nega que tenha morrido em decorrência da Covid

 




Responsável por cuidar da saúde de Olavo de Carvalho há mais de 30 anos, o médico Ahmed Youssif El Tassa negou que a morte do escritor bolsonarista tenha relação com a Covid-19.


Segundo a coluna de Bela Megale em O Globo, o profissional disse que Olavo morreu em decorrência de "insuficiência respiratória aguda", causada por um efisema pulmonar associado à insuficiência cardíaca congestiva, à pneumonia bacteriana e a uma infecção generalizada.


"Durante todos esses anos, inclusive nas últimas internações nesses últimos dois anos, acompanhei o quadro de saúde de Olavo de Carvalho. Ele sofre de Doença Broncopulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC), no caso, o enfisema pulmonar. Não tem qualquer relação com a Covid-19, é um problema crônico. Qualquer pessoa com um enfisema crônico, quando pega uma pneumonia, é quase um sinônimo de morte", disse Ahmed Youssif El Tassa.


A situação teria levado o "guru" a passar por "eventos tromboembólicos generalizados por coagulação intravascular disseminada em múltiplos órgãos". Nas redes sociais, uma filha de Olavo de Carvalho, Heloísa, disse que a morte do pai havia sido causada pela Covid-19.


Leia a nota na íntegra do médic Ahmed Youssif El Tassa:

"Na condição de médico particular há 35 anos do Professor Olavo de Carvalho, falecido ontem, dia 24 de janeiro de 2022, no Estado da Virginia, EUA, informo oficialmente que, de acordo com os boletins médicos emitidos nos últimos dias pelo Hospital John Randolph Medical Center, a sua morte foi deflagrada por insuficiência respiratória aguda por DPOC, insuficiência cardíaca congestiva, pneumonia bacteriana, e infecção generalizada (septicemia) causada pela bactéria Staphylococcus aureus Resistente à Meticilina, geralmente referida pelas siglas SARM ou MRSA. Condições que levaram a eventos tromboembólicos generalizados por coagulação intravascular disseminada (CIVD) em múltiplos órgãos".

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem