“A ideologia de gênero e a tentativa de descriminalizar a maconha são dois males que enfrentamos diariamente”

 




Presidente do Republicanos desde 2011, Marcos Pereira exerce seu primeiro mandato como deputado federal. O parlamentar já esteve à frente do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços e, em menos de dois anos de trabalho, recolocou o Brasil na rota dos eventos econômicos internacionais. Foi vice-presidente da Câmara dos Deputados e foi eleito, por três anos consecutivos, um dos parlamentares mais influentes do Congresso Nacional. À frente de uma Mesa Diretora reformista, Pereira protagonizou momentos decisivos para o avanço de pautas relevantes como a Reforma da Previdência e o Novo Marco Legal do Saneamento Básico. Em entrevista à Folha Universal, ele fala do papel de um deputado e de seu impacto para a sociedade, assim como as principais lutas dos cristãos. Acompanhe a seguir.

Muitos desvalorizam o papel dos deputados e votam de forma inconsciente. Na prática, qual é a função do deputado e como ele pode influenciar a vida da população?

O deputado é o responsável pela elaboração e votação das leis do Estado e do país, além de fiscalizar o Poder Executivo e contribuir com indicações e sugestões. Cabe ao deputado a indicação de recursos federais e estaduais aos municípios para diversas áreas, como saúde, educação e infraestrutura. O deputado é um indutor de políticas públicas de diferentes formas e sua atuação próxima da população o ajuda a estar sempre atento aos problemas e às soluções.

Como o senhor avalia sua participação na política neste primeiro mandato como deputado federal (2019-23)?

Durante a campanha, me comprometi a defender pautas relacionadas à família e ao povo cristão e a trabalhar duro pela desburocratização e geração de empregos. Outro compromisso que assumi foi buscar em Brasília recursos para auxiliar os municípios, sobretudo as pequenas e médias cidades que sofrem com falta de dinheiro. Assim tenho feito. Em pouco mais de três anos, destinei quase R$ 500 milhões para mais de 400 municípios paulistas. Creio estar honrando a confiança dos 139.165 paulistas que confiaram em mim com decência, honestidade e muito trabalho.

Quais os projetos criados pelo senhor desde que foi eleito, em 2018?
Foram diversos projetos apresentados, mas destaco a iniciativa de exigir mais transparência nos contratos entre empresas e poder público (PL 895/19); a regulamentação da concessão do auxílio-doença e do salário-maternidade ao trabalhador intermitente (PL 2176/19); a criação de incentivos fiscais a empresas que invistam na capacitação da pessoa com deficiência (PL 2177/19); a gratuidade a todos, declarados pobres ou não, à habilitação para o casamento (PL 4922/19); além de projetos de incentivo à produtividade, sobretudo na área de tecnologia, como é o caso da Lei da Informática.

O senhor enfrentou algum tipo de obstáculo para a aprovação de projetos que eram, em sua opinião, benéficos ao povo?

Um dos meus compromissos é com a desburocratização para tornar mais fácil a vida do brasileiro. Uma das formas de se fazer isso é aprovar algumas reformas do nosso sistema. Avançamos na reforma trabalhista e da previdência, mas ainda falta avançar nas reformas tributária e administrativa. Não é tarefa fácil porque toda mudança que é feita impacta o País como um todo, mas é necessária. O mais urgente, penso eu, é simplificar nosso sistema tributário e trabalhar pela redução de impostos.

Atualmente, quais são as principais lutas dos cristãos na Câmara?
A representação cristã no Congresso Nacional aumentou muito nas últimas eleições. Isso tem nos proporcionado lutar contra todas as tentativas de destruir a família tradicional, os valores nos quais acreditamos e, claro, defender a igreja do Senhor Jesus. São muitos os projetos de lei que pretendem causar danos a tudo isso. A ideologia de gênero e a tentativa de descriminalizar a maconha são dois males que enfrentamos diariamente.

Como ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (2016-18) quais suas iniciativas que impactaram positivamente o povo?
Consegui firmar vários acordos comerciais entre o Brasil e diferentes países que têm permitido exportar e importar com mais velocidade. Isso impacta na produtividade e, consequentemente, na geração de empregos no País. Também avançamos na desburocratização e na facilitação do comércio e fortalecemos a indústria nacional de diversas maneiras. Nosso objetivo sempre foi o de assegurar a competitividade do País e manter empregos de qualidade para o nosso povo.

O senhor escreveu o livro O uso da informação como notícia do crime ambiental, que aborda o papel das notícias na preservação do meio ambiente. Com relação à política, como o senhor avalia a importância dos meios de comunicação?
Um dos mais importantes pontos do Manifesto Político do Republicanos é a liberdade de imprensa e de opinião com responsabilidade. Os meios de comunicação exercem um papel fundamental na manutenção e no fortalecimento da democracia. Nem todos os veículos tratam a informação com a seriedade que ela merece, mas é melhor o barulho da imprensa livre do que o silêncio da ditadura.

Na sua visão, quais pautas precisam ser discutidas para promover melhorias no Brasil e para o povo?
Acredito que as grandes reformas são fundamentais. O sistema tributário é o maior dos desafios. Precisamos seguir modernizando a gestão pública do País, tirando das mãos do governo aquilo que o setor produtivo consegue fazer melhor. O que as pessoas querem é trabalho, moradia digna, comida no prato, saúde e educação. É nesse sentido que temos que seguir.

Quais os seus principais aprendizados na carreira política?
Como ministro, estive em 16 países e em todos os Estados brasileiros. Conheço muito bem a realidade do nosso país e tenho dado minha cota de contribuição para melhorar a vida do nosso povo, seja votando e aprovando projetos de interesse nacional, seja destinando recursos a pequenos municípios do interior do Estado. Estou convicto de que minha atuação política é relevante e condiz com o que o cidadão espera do seu representante.

Por fim, quais são seus planos para o futuro?
Devo me candidatar à reeleição em 2022. Depois disso, devo partir para outro projeto, mas o futuro pertence a Deus. É como diz aquele versículo conhecido: “o coração do homem faz planos, mas a vontade de Deus prevalece” (Provérbios 19.21). Minha vida está nas mãos do meu Senhor Jesus.

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem